segunda-feira, 9 de julho de 2007

O silêncio de ontem não adivinhava o silêncio de hoje

O silêncio, para muitos o vazio acústico, para nós sempre fora significativo de divagações ruidosas para o sossego e motivo para outras muitas que nos retiraram o sono e nos levantaram da cama.

Ontem
Gritavas: cala o silêncio com a tua voz!!

Ontem
Meu companheiro nos infortúnios e entre lençóis
Querias calar o silêncio que te acordava as emoções e te trazia incomodo ao teu saber estar. O teu corpo denunciava o constrangimento que te trazia o silêncio. O silêncio era para ti inoportuno e fazia-te lembrar que estávamos calados. Estar calado era sinónimo de assunto esgotado. Parecia-te assustador e levantavas várias indagações desperdiçadas que te ocupavam o tempo útil de vida: que tradução dou ao seu silêncio? não terá interesse em mim? ou será precisamente o contrário? será revelador do seu interesse por mim? em me querer, em me ter? o silêncio trazia-te a dúvida, que em relação imatura é perturbadora da serenidade. Com o silêncio sentiste observados os teus movimentos, os teus pequenos trejeitos. O silêncio, pensavas, era a minha leitura de ti. Com o silêncio explorava-te. Darmo-nos a conhecer traz muitas vezes a insegurança, que todos carregamos, manifesta da incerteza de não gostarem de quem conheceram – todos tendemos gostar que todos gostem de nós (gregos e troianos).

Hoje
Gritas: cala-te! Deixa falar o silêncio calando a tua voz.

Hoje
Meu companheiro nos infortúnios e entre os lençóis
Já perdi as palpitações só de pensar que pensas em mim. Já perdi a inquietude sentida no estômago quando me surges. Já perdi o corar quando me tocas. Mas apanhei a tua verdade, que parte ainda tanto me seduz. Anseio perder as mudanças da tua verdade, no trilho que vais escolhendo para a tua vida. Trazes poucas caricias, mas conheces as delicias que me fazem semicerrar o olhar e soltar sons gemidos, arrastados no silêncio e outros que rasgam o próprio silêncio. O silencio, hoje, representa o aperto das nossas mãos, já não suadas, e o nosso olhar dirigido na mesma direcção para o amanhã, com uns breves desvios de olhar, meio de soslaio...para ganhar as palpitações, as inquietações transmitidas no estômago, o corar no facies...sentires que nos lembram que ainda desejamos e nos desejam.

5 comentários:

efeneto disse...

...as novas visitas são sempre vem vinda, e eu venho-lhe agradecer a dobrar. Primeiro pela visita que fez ao meu blog de amigos "Almas Poéticas", seja bem vinda o resto de agradecimento pertence ao colega autor da poesia visitada por si. No meu caso particular venho agradecer a sua visita ao meu espaço pessoas "O Grito de um Poeta". E porque os amigos devem ser visitados com a disponibilidade e atenção que merecem virei visita-la brevemente...volto já e obrigado...se me permite entrego-lhe em mão um ramo de palavras salpicado de amizade...efeneto

O Sentir dos sentidos disse...

Olá mimha querida,

Estou muito feliz que tenhas visitado meu mundo de sentidos.Vim ao teu canto para agradecer, e encontro este encanto de lugar...cheio de silêncio amoroso, questionador, revelador...que és de verdade uma pessoa de extrema sensibilidade e amor.
Já te adicionei em meus favoritos, e logo voltarei para te fazer uma melhor leitura; Pois teus poemas merecem uma atenção especial, e assim farei quando do meu retorno.

Doce e terno beijo...em silêncio de alma,

efeneto disse...

(...) Apenas são as minhas palavras.
São palavras
Retiradas do baú do passado, revistas no presente.
São palavras
Do presente já nascidas em ventre nu, morto.
São palavras
Surgidas de um vago pensamento, solto e dilacerado nas próprias palavras.
São palavras
Que se compõem para formar um pensamento.
São palavras.
E, só palavras (...)
Fui buscar estas suas palavras para cumprir o prometido e vir visita-la com mais atenção e encontrei isto...palavras...um conselho...continue a divulgar o UVA pois tem magia solta lá dentro...passará a ser uma paragem obrigatória na minha migração pelos amigos...parabéns e se me der licença, receba outro ramo desta vez salpicada de beijos de amizade...efeneto.

O Sibarita disse...

Olá sua menina! Muito legal sua poesia, demais mesmo! Parabéns!

bjs
O Sibarita

Anónimo disse...

necessita di verificare:)