segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

CONGRESSO DE FERIDAS - 2018. LISBOA

Inscrições já abertas!
Para mais informações consulte: www.sinaisvitais.pt
CONGRESSO INTERNACIONAL - GESTÃO DE FERIDAS COMPLEXAS
LISBOA
24 E 25 DE MAIO
FICA ATENTO!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013


O sonho da tua presença ocupa espaço deixado pela vastidão da saudade largada pela distância da tua presença. Hiatos em mim ficam intumescidos pelo sonho até quase preenchidos, mas quando resvalo para a descrença decaio  até inflamação já caquética.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

agora aqui estou eu


"Oiço lana! Só podia estar a ouvi-la para não mais escutar o eco do desfolhar das memórias que quero esquecer.

Oiço lana! Só podia estar a ouvi-la para reter o aprazível de te ter em mim.

Parece que a minha retina ganhou memória, e
O teu último sorriso contido no teu olhar ficou retido em mim…
Este cenário não é ficção idealizada. Este cenário não é capricho das divagações. Este cenário não é devaneio tão desejado. 
É memória! É memória! Que nem precisa de ser engavetada, pois está sempre a ser recapitulada.
Mas, também, posso dizer: é apenas memória - de momentos que se esvoaçaram no espaço temporal.
Óóhh!! Que digo eu! (entrego-me  ao doce engano que tanto me afaga os devaneios em desânimo), se sei que a memória copia o poder da matéria no espaçotemporal. faço da memória o que faço com os meus átomos. Posso mudar tudo, e trago o passado para o presente, e o lá para cá….e perpetuo….

O tempo e espaço têm uma relação de reciprocidade indivisível- é de senso comum, bem sei. Como também é sabido que a matéria deforma a curva espaço-tempo. Mas para mim, o intrigante é  pensar sobre o pensamento, em registo de memória, integrado e articulado no espaço-temporal, como se de um uno, também, se tratasse. Quando estou entregue às memórias, sem já estar de corpo presente no espaço-temporal em que estive contigo, sem ter a matéria a estabelecer os parâmetros, como posso mudar os eixos? A verdade é que mudo os eixos. A verdade é que mudo os parâmetros. Se quero esquecer o eu no espaçotemporal, consigo alarga-lo ou estreitá-lo, conforme o masoquismo do momento. Se quero lembrar o eu no espaçotemporal, consigo, sempre, alargá-lo. Sempre.

agora aqui estou eu - e reparem que mais uma vez o espaço e tempo estão contíguos, a partilhar a mesma linha- a relembrar o ontem, em que já lá não estou, mas mesmo assim a ordem de sucessões e de coexistências as faço transmudar.
A memória copia o poder da matéria na linha espaçotemporal? Átomos que coabitam no espaçotemporal, é inteligível que tenham comportamentos promíscuos e todos se toquem e se deixem ser tocados. Mas a memória não é materializada e  a verdade é que estou contigo eternidades…e longe de ti eternidades…..(e o perto/longe tornam a partilhar o mesmo leito da eternidade) ……

Enfim, penso. Não!; permitam-me a correção desta afirmação inconsistente: enfim, penso pois nada sei, - pois é sabido que o pensamento sendo um mecanismo de penetrar no desconhecido, uma forma de trazer algo para a tela mental , é sinónimo de ignorância.
Só sei que o teu último sorriso contido no teu olhar ficou retido em mim…"

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

não te esqueças de lembrar-te sempre de mim!... diz lana




 

oiço lana ....que me faz recordar mazzy star.

domingo, 25 de novembro de 2012

a saudade fratura-me a vontade de desejar apenas o que é



o que em ti é estranheza para mim,  faz-me martelar em forma de indagações reiteradas com finitude longínqua, mas faz-me, também, palpitar e prolongar-me o entusiasmo e o desejo retumbante.

 o tempo não perdoa, mesmo que supliquemos que espere um pouco, que se retenha um pouco, que nos permita comprazer com o que não temos sempre. o tempo é constante, mas  a saudade por ti - há quem diga, a saudade de nós próprios, o amor-próprio, quando junto a outro - nega-me esta constante e fica a perceção de ab initio do infinito. 
a saudade deixa-me suspensa no que foi, no que queria que fosse, no que deveria ter sido. a saudade fratura-me a vontade de desejar apenas o que é.

sempre preferi esta angústia dilacerante, porque me permite ter esperança. esperança do quê, não sei. nunca soube. talvez, esperança de continuar a sentir o palpitar, o entusiasmo e o desejo retumbante,  ad ephesios.

divago enquanto oiço asaf...


A meta para a serenidade é o esquecimento.
Esquecimento do que fui, contigo, enquanto a serenidade residia em mim.
A meta para a serenidade é deixar de ser quem sou.
A brisa sentida nos corpúsculos de Krause açoita-me a alma como brasa e faz esvoaçar-me os pensamentos ainda não olvidados.


Não sei se me queres. Não sei se não passo de passatempo. Certa estou que há uma clivagem largamente mirada entre os nossos quereres. 
Vislumbro o vazio. O vazio deixado aqui em mim, por não agires. O vazio no teu olhar. Só opacidade!, vejo. Opacidade sem brilho. Vazio. Porque quero eu, então, o vazio que há em ti? Não sei porquê. Só sei que continuo a querer contemplar o teu olhar, mesmo que repleto de vazio.
Mais certa estou, pois mais certo é, de não queres fazer parte de escândalos. Não queres ser emblema em tema. Sabido é que, os escândalos dos outros soam a novidade que ocupa mentes e traz tema sem lema e com emblema. Sabido é que, os nossos escândalos nunca nos entrelaçam no encanto e espanto.

Eu desejo-te ou desejo tanto este desejo (nunca soube a diferença, como sabeis!) que me disponho a escândalos. Quando junto a ti, tudo passa a pormenor. Tudo passa a resto.

Nunca vos pedi a opinião, mas vocês dão-na. Mas claro está, não a mim, porque nunca a pedi e mais confortável para vós, até, dão-na ao mundo sem mim. Assim, podereis dizer o que desejardes, porque não me têm para refutar, ou, só, argumentar. Não vos censuro! - também, vos ofereci em forma de opinião os meus juízos de valor. E mais injuriosa sou, pois os meus juízos repudiavam nos outros o que penso hoje em cometer.

Opiniões!...
Por vezes, as opiniões distorcem a verdade, sempre tão escorregadia, pensando na verdade como a vivida, vista e sentida no plano real.
Se quereis reconstruir a verdade, solicita todas as versões aos actores. Assim, estarás mais próximo do cenário realista da realidade, da verdade que, provavelmente não querias ouvir. Assim, filtras o teu portador da verdade e tens o teu gerador da verdade - o estado dos factos. Assim, estarás mais próximo da verdade que me desculpabiliza. 
Em rol de maldizeres, nunca perguntaram pela minha versão da minha verdade. E sei o porquê. Porque a verdade, - verdade seja dita! -, é o que cada um quer que ela seja. Subjugamos a verdade ao que queremos da sua essência na nossa essência. A verdade pode ser útil. A verdade pode ser mais interessante. A verdade pode ser um bálsamo. Cada um escolhe e crê na verdade que mais se aproxima ao que deseja que ela seja e não ao que é. A verdade é que, escolhemos os geradores de verdade como os nossos mais apreciáveis verazes, mas, nem sempre verdadeiramente confiáveis. Contrassenso? - Não! É sabido da invariância da verdade, dependendo, até, de quem se quer sentenciar à injuria.

Uma verdade vos digo: não sou honesta para mim, porque não sei como se faz. Serei um ser não verdadeiro, porque não o posso ser, e criei um  ser postiço, longe da minha própria natureza ditosa, copiosa, e …. odiosa. Odiosa por mim própria. Mas não sei ser este meu ser de outra forma.



sexta-feira, 2 de novembro de 2012

sinto-me pouco eu, perto de ti.



Com rosto impassível, conversas.
Eu: oiço-te. Mas oiço sempre metade. Não oiço o que proferes.
Oiço a minha imaginação e ela pouco espaço dá para te escutar, como qualquer um merece. Vou-me perdendo na contemplação do teu rosto. Pego na conversa a meio. Pego na conversa no fim.

Sinto-me pouco eu, perto de ti.
Com rosto impassível, conversas.
Eu: respondo. Mas respondo sempre metade. Não respondo o que queria proferir. E quando o faço parece que tenho de medir a dimensão das palavras que conseguiram ganhar espaço neuronal. São poucas as palavras que ganharam espaço.

Em discurso a roçar o gélido, com postura inquebrável, no entanto, tens valores morais infrangíveis e apreciáveis, pouco comuns.

Sinto-me pouco eu, perto de ti. 

Sinto que não me deixo conhecer. Não me deixo conhecer porque não me deixas dar a conhecer? Parece nascer indiferença em ti quando falo em mim. Não me queres conhecer?  

Quero estar perto de ti, mas estranhamente sinto-me muito pouco eu, porque acho que não te interessa o meu eu. Penso, que, também, porque me sinto avaliada.

Não julgar antes de conhecer! - Mas julgamos sempre. E conhecer? - Nunca conhecemos! Se assim é, porque divago eu.

Quando chego a este espaço, a este mesmo espaço, tão exíguo sem ti, sou invadida pela amargura de não te ter segredado os meus sonhos, de não te ter falado sem freios. Faço-o em multidões e não o faço contigo.
De facto, sinto-me pouco eu, perto de ti.
Mas longe de ti, também, já me sinto pouco eu….
Prefiro o pouco de mim perto de ti.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

é esta dualidade que tipifica a minha unicidade

Na explosão de emoção, o corpo exprime.
Na nulidade de emoção, o corpo exprime.
Vive-se desta dualidade.
Vive-se nesta dualidade.

Se te quero, não posso.
Se posso, não quero.
Vive-se desta dualidade.
Vive-se nesta dualidade.

O cristalino da dualidade torna-nos vulneráveis aos poderes/quereres e poderes/fazeres dos outros.
Nem sempre nos são oferecidas as oportunidades de querermos o que podemos.
Ou podemos, mas não queremos.
Ou queremos e não podemos.

Não sei porque estranho a tua dualidade.
Não me conheces mas queres-me.
Queres-me porque anseias conhecer-me?
Queres-me porque queres descobrir o meu tanto querer?
Queres conhecer a minha explosão de emoção na expressão do corpo?

Surgiu-me clarividência!! Não há dualidade em ti. Só em mim e em ti que existes em mim. Eu não me conheço e transponho as minhas dúvidas sobre ti para uma dualidade nunca nascida. Leio em ti o modo como lês o mundo.

Para ti, somos hólon, em que a própria intersubjetividade e relatividade oferecem o sentido, e encontram a unidade tudo, começando em nós.
Para ti, queres-me! e podes.
Para ti, queres-me para me descobrires em explosão de emoção na expressão do corpo.
És claro.
Vês com clareza.

 Eu verei sempre tudo entre uma dualidade incandescente que me enevoa o discernimento e eventualmente te agita a tua afincada clareza confortável.

Hoje, ao ter-te em mim vislumbras o exagero. A luxúria.
Amanhã, ao ter-te em mim sentes a suavidade do romance - que provavelmente transbordará, também, em exagero.
Ter-te em mim, será, sempre, uma troca de toques secretos únicos. Como se em tela nos visse, mas nunca pintada e jamais levada à obra encenada.

Sou assim. Poesia em tudo o que penso e questionamento sobre tudo o que fiz, não fiz e poderia ter feito.
Contudo, também, é esta a dualidade que tipifica a minha unicidade.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

expressão do corpo. explosão da emoção.


sensual. artistico. expressão do corpo. explosão da emoção.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

como poderás ver-me, se estou ali?

sou coberta pela vontade de te segredar...
ainda agora aqui estás, e já sou só saudade balofa, em alma anorética. já  nada mais resta de mim, contigo aqui, pensando o que será de mim sem ti.
apetece-me provocar-te e perguntar-te se queres um bólus de intumescimento de ego?
tenho saudades de ti, só de pensar do que será de mim quando dás um passo em frente, a caminho da porta. e atrás dela, só não te vejo, mas vejo o sopro, que sopra sempre, e tanto, para o amanhã, que nunca mais alcanço o seu vislumbre e o teu semblante.

o tempo desagrega-se em mim, sobre mim.
só amanhã te verei.
e nunca mais me chega o amanhã.
mas porque o quero? se hoje não cruzaste o teu olhar com o meu, amanhã nada mudará, e só intumescerá a solidão que há em mim, sabendo que nunca serás meu.
ai!, nunca serás meu!, -  repito-o, para a verdade ser parte de mim. nunca serás meu,  mesmo que sinta o teu beijo. o teu beijo só me é entregue, porque to ofereci. o teu beijo só repousou sobre os meus recetores e ressuscitou os meus sentires, porque eu estava ali.
parece que sinto o rasgar do desprezo lançado no teu olhar. mas porque não o deverias sentir? porque haverias de pensar em mim e ver a pessoa que sou quando estou ali?
como poderás ver-me, se estou ali?

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

não escrevo sobre nós



escrevo sobre nós.
sempre fora uma compulsão escrever sobre o que não sei o que sinto enquanto emoção.
quando não sei o que escrevo, parece que vislumbro a clareza da emoção contida, até mascarada.
sempre fora uma compulsão escrever sobre o que sei que sinto enquanto humidade quente, não liberta pelas glândulas sudoríparas.

só consigo escrever, quando deixo de tatear a coerência e sensatez e passo a tatear o teu corpo e descubro a geografia do nosso corpo como um uno, mas sempre divisível no fim do que nunca começou.

sempre deixei dançar o pensamento nas fantasias e reportei-as como o indizível ao mundo, fazendo crer, não estando certa de querer ou não, que não sou eu que as grito.

sentada, frente à chuva que não sobe, sobe o meu rejubilo de ter memória mesmo do irreal. não lhe chamem sonho. é irreal, pois não se passou no plano temporo- espacial que todos conhecemos (ou não!), mas sempre foi real para mim, porque assim tanto o desejo.

escrevo sobre nós?
escrevo sobre o que não sei de mim, quando estou junto ao que acho que somos nós.
não escrevo sobre nós.