sábado, 4 de agosto de 2007

nunca mais os vi....nunca mais os vi....

sentem-se na mesa! sim, também me sento, obrigado. estão confortáveis? sim, também estou, obrigado. inquieta. sempre inquieta, mas confortável. o ar condicionado já está desligado. deixemos a conversa banal para depois. oiçam o que vos digo: por vezes deixo de desejar-te. não sei porquê. a ti, sim! mas assim que fantasio deixar de te ter, enquanto meu objecto de desejo, passo novamente a desejar-te... e a ti ... também te desejo, mas receio que por vezes vá deixar de te desejar. também. sei-o. a ti também, sim. e logo passo a desejar-te mais a ti. sou assim. e, prontos. entendem?! por vezes quero entregar-me à descoberta dos outros, quando entregues ao seu desejo. já sabem que tento fugir deste espaço não conquistado mas pago. já sabem que gosto de sair para onde não me vejam, mas sempre com receio que me espreitem. porque estás a olhar para o tecto? não me estás a ouvir ou não me queres ouvir? doi o que te digo? preferes a mentira ou a omissão por te anestesiar? administra-se doses de mentira por cobardia de quem mente ou por pena de quem a vai escutar. não quero uma situação nem outra. a surdez não é fuga, porque a verdade acabará por cair sempre estatelada à nossa frente. a cegueira não é fuga, porque a verdade acabará sempre por entrar pelos pavilhões auriculares. portanto, ouve-me e vê-me. olha-me bem nos olhos. não desvies o olhar, por favor. a mim também me doi, porque sei que te doi. a mim doi-me porque eu nunca serei eu. não serei eu, não por ti, nem por ti. também ,talvez, mas não principalmente. eu nunca serei eu porque nunca serei feliz. se o for será sempre longe deste espaço não conquistado mas pago.

(olharam-se. levantaram-se. e nunca mais os vi. continuei sempre com o mesmo discurso para muitos. sempre findou do mesmo modo: olharam-se. levantaram-se. e nunca mais os vi).

5 comentários:

efeneto disse...

...uma "UVA" claro. Retrato (!?!) de uma conversa tão banal quanto enigmática maravilhosamente aqui descrita. Ao ler você fala com quem lê...sensação de ser para nós...o atrair a atenção quando tentamos distrair e você chama a atenção...Cheguei...olhei...levantei, e vou com a ideia de voltar a vir "ouvi-la"...beijo e obrigado por esta "UVA".

cõllybry disse...

A cegueira, surdez ,cobardia, sentimentos que nos envolvem diariamente...

Gostei de ler...

Doce beijo

pessoa nenhuma disse...

o dialogo é entre mim e dois homens...digo-lhes a verdade, mas esta doi...e nunca mais os vi.
passa o tempo e torno-me a sentar no mesmo sitio e digo o mesmo a outros 2 homens e volto a nunca mais os ver.
as gentes parecem muitas vezes querer acreditar no que as faz mais felizes, mesmo que não seja a verdade universal. apoderam-se apenas de algo como sua verdade. se não gostam da verdade do outro...nunca mais os vimos.....

efeneto disse...

...olá amiga, seja bem vinda, a saudade é cruel mas o reencontro é saboroso. Sempre fiel e franca nos comentarios que faz, obrigado tanto no "Almas" como no "Grito". estarei sempre por aqui...se precisar de alguma coisa olhe para o lado...um beijo e até...já....

O Sibarita disse...

Oi sua menina! Que texto bacana com ou sem uva, faça fé!

Você escreve maravilhosamente bem!

bjs
O Sibarita